O grande líder

O grande líder

 Eu estava pensando o que escrever nesta reta final do brasileirão e por mais que procurasse as matérias uma palavra sempre ecoava, estava sempre presente – Andrade.

 Queria falar sobre o Flamengo, mas por superstição não queria falar sobre previsões próprias de final de campeonato.  Não conseguia pensar em outra coisa a não ser na figura do técnico.

O nome do Andrade insistia em estar presente no argumento.

Jogador sensacional na sua época, como treinador nunca passou de coadjuvante de medalhão.

Todas as vezes que assumia interinamente o time, era voz geral imediata que ele não teria condições de ser efetivado em razão de sua timidez, sua dificuldade em se expressar nas entrevistas e a dúvida de sua capacidade para motivar a equipe.

No mundo esportivo, a motivação é palavrinha sempre em moda.  Logo vem a figura do sargentão utilizando palavras fortes de ordem e transformando o soldado raquítico em verdadeiro Rambo.

Voz corrente no clube, na imprensa, na torcida, todos achavam que Andrade não teria condição de motivar um time como o Flamengo com a maior torcida do planeta.

Surgiu a oportunidade quando o aparentemente encrenqueiro e depressivo, mas bom técnico e trabalhador, Cuca foi defenestrado.

Aí pensei: é a hora do Andrade, mas a diretoria, a imprensa e a torcida, todos terão que procurar paciência e perder um pouco a mania de grandeza, deixando de lado a idéia de que grande time tem que contar com técnico ou treinador consagrado, mesmo porque tenho a impressão que talvez exista no mundo do futebol de outro país ou outro planeta alguns treinadores que se o clube bobear ele, com sua “pessoa jurídica” de participação e marketing, vira sócio majoritário do clube e ainda leva uma graninha do salário do jogador que escalar como titular.

Sempre torci pelo Andrade, embora reconhecesse sua dificuldade de se expressar publicamente.

Um jornalista, mostrando desconhecer o assunto, chegou a perguntar ao Andrade como ele faria se tivesse que - vejam os senhores - gritar com os jogadores!!  Andrade falou que nunca precisou gritar com ninguém para se fazer respeitar.

Profundo conhecedor do futebol, do Flamengo, da política do clube, de cada político do clube, reforço o argumento com a frase que usei outro dia: ele conhece cada tufo de grama da gávea e sabe como falar com cada um.

Fui pesquisar a respeito da característica de um líder e me deparei com uma listinha de autoria de um especialista – Brian Azar – com um nome de família estranho:

1- Grandes líderes cometem erros, identificam as falhas, se responsabilizam por elas e aprendem com o erro.

2- Grandes líderes conseguem controlar suas emoções: não passam insegurança, não intimidam e não tentam controlar os outros.  Agem como pacificadores, acalmam e tranqüilizam.

3- Não tornam público problemas internos para a imprensa e               não exteriorizam problemas da empresa para os seus subordinados.

4 – São pacientes e tem alto poder de compreensão.

5 – Grandes líderes produzem grandes líderes na sua equipe.

6 – Delegam poderes e sabem quando soltar o grupo.

7 – Acreditam num ambiente de trabalho saudável e feliz.

8 – Sabem conversar individualmente com cada membro da equipe.

9 – Grandes líderes conhecem as personalidades e as habilidades de cada membro da equipe. Eles têm inteligência emocional.

10- Grandes líderes são autênticos e honestos.

Senhores, tenho a honra e sinto imenso prazer por lhes apresentar o técnico Andrade e, independente do resultado do campeonato, o eficiente time do Flamengo.

Add comment


Security code
Refresh