Ateus, agnósticos, teístas e... demônios

Ateus, agnósticos, teístas e... demônios!

Deus existe?

Os ateus entendem que não existe um “deus”.  Já entendiam isso desde a Grécia clássica: não acreditavam na existência dos deuses.

Sócrates, entre outras coisas, foi acusado de não acreditar nos deuses de Atenas, embora acreditasse em outros.  Acabou sendo condenado a tomar cicuta.

- Mas eu acredito nos deuses, pô!

- Acredita nada! Tu acreditas nos deuses de Esparta.  Bebe, bebe logo essa p....!

- Argh! É amarga!

- BEBEEE!

- A... deus!... glub! glub! glub!

Ateísmo não é uma ideologia, uma religião ou uma não-religião.

Somente não acreditam que “lá em cima” - no “céu” – exista um ser invisível possuidor de poderes mágicos que criou o universo. Não existe um “céu”, deus, anjos e demônios.

- Nasceu?... “Qui” beleza!...

- Morreu?...  “Tadim... acabou!”

O ateu de uma forma geral acredita na razão e na ciência.

O universo nasceu do vácuo, do “nada’, onde partículas energéticas de cargas opostas passavam “o tempo” anulando-se mutuamente. Não se sabe por que elas quebraram o equilíbrio em determinado momento e deram origem à massa que resultou no Big Bang. (Alan Guth)

O conhecimento científico vai até um segundo cósmico antes de surgir a mãe de todas as explosões.  Vai até aonde o cálculo matemático e a pesquisa cósmica conseguiu alcançar com os poderosos telescópios existentes atualmente.

“Não bastassem os mistérios do mundo visível e tangível, ainda temos de conviver com o fato de que 99% do universo é feito de matéria escura, uma substância absolutamente misteriosa sobre a qual nada sabemos”, afirma Robert Hazen. (Guth, Hazen e as informações são créditos de www.biucsproject.org/general/unknowledgement_universo.htm).

Não é porque ignoro a origem das coisas que estou autorizado a afirmar que existe um ser invisível, um mágico – “faça-se a luz!” - que criou todas as coisas e dirige meu destino.

Já os agnósticos são muito interessantes!

- Deus existe!  - Afirma o teísta.

- Deus não existe! – Afirma o ateu.

- Veja bem: deus pode existir, como pode não existir.  Nunca será resolvida esta questão. - Balbucia o agnóstico, escalando, arranhando-se todo, sujando a roupa e sentando no muro.

Kant e David Hume deram início aos estudos filosóficos no século XVIII, mas quem bem definiu foi o biólogo evolucionista Thomas Henry Huxley  “... numa reunião da Sociedade Metafísica, em 1876. Ele definiu o agnóstico como alguém que acredita que a questão da existência ou não de um poder superior (deus) não foi e nunca será resolvida” - (Wiki...).

“Eles estavam seguros de terem alcançado certa gnose – tinham resolvido de forma mais ou menos bem sucedida o problema da existência, enquanto eu estava bem certo de que não tinham e estava bastante convicto de que o problema era insolúvel.” (Huxley)

Dizem os estudiosos que o agnóstico não é um meio termo entre ateus e teístas.

Alguns podem dizer que não encontram razão para acreditar na existência de um deus – estes seriam os adeptos do ateísmo fraco.

Outros acreditam em um deus apenas por fé – são os fideístas.

Existem ainda os deístas, primos do agnóstico...  como Rousseau: aceitam a existência, mas não seguem qualquer tipo de seita ou religião.

Ou os teístas: acreditam em Deus e seguem uma religião, aceitando sem discutir todos os dogmas, apenas por conveniência.

Existem infinidades de correntes agnósticas: uns acreditam um pouquinho, mas não têm certeza. Outros acreditam por acreditar, mas duvidam de sua própria dúvida.

Outros, ainda, são agnósticos e nem mesmo sabem disso.

Queiram ou não, estou convicto que o agnóstico não quer perder tempo com discussão que não vai chegar a qualquer lugar.

- Ah, meu irmão! Sei lá... pode ser que exista, mas eu tenho minhas dúvidas... Não quero me meter nesse papo!... Olha aí!... vou prá praia!

Os teístas... Ah! os teístas!

Os teístas parecem aquelas pessoas que não estudam, não trabalham, mas ficam esperando aquele político que vai dar um “jeitinho” de lhe arranjar um emprego público que lhe garanta uma aposentadoria.

- Vamos rezar, vamos rezar prá gente ir pro céu, prá gente ganhar na loteria, passar na faculdade... Enquanto isso... me dá um dízimo aqui!

Acreditam piamente que exista um ser mágico que tudo criou, dirige o destino de tudo e de todos. Manda um raio no meio das suas fuças se você duvidar dele.

Uma grande maioria acredita que tem um ritual a ser seguido para alcançar Deus.  Quem sabe das coisas é o padre, o pastor, o rabino... tem até o "pai de santo".  Tudo gente muito esperta.  No meio dos povos mais primitivos tinha até o pagé.

- Morreu? Será que ele vai pro céu ou para o inferno? O padre deu a extrema-unção? Chegou a confessar?...

- Esse aí traía minha comadre... vai direto pro inferno!

Ou

- Morreu? Ele pagava o dízimo para o pastor?

- Vamos rezar, rezar, rezar...

- O pastor disse que Deus falou com ele!!!

- “...Não bastassem os mistérios do mundo visível e tangível, ainda temos de conviver com o fato de que 99% do universo é feito de matéria escura, uma substância absolutamente misteriosa sobre a qual nada sabemos...”

- Tai! Quem inventou a matéria escura?

- Estou pesquisando...

- Perda de tempo... Foi Deus!

Os teístas são os grandes incentivadores das pesquisas científicas.  Eles ficam tranquilamente pensando nas coisas de suas vidas, enquanto os cientistas se matam nas suas pesquisas.

Onde termina a explicação científica começa a existência de um deus.

Acredito que não foi um deus que criou o homem, mas o homem foi quem criou os deuses ou “o” Deus ou... os deuses são frutos da ignorância dos homens! Que o digam o pagé, a lua Jaci e o sol Peri.

Os povos ocidentais precisam de um mágico na família.  A menina reza para Santo Antonio lhe dar um marido. Vovó reza para São Longuinho para encontrar o broche que perdeu.  Quando encontra... dá três pulinhos e grita três vezes: achei! achei! achei! Quando cai um cisco no olho... uma massagem no globo ocular enquanto fala: Santa Luzia passou por aqui com seu cavalinho...

Os budistas, não têm um deus.  Os rituais são dirigidos para a tranquilidade emocional.

- Se os budistas não têm um deus, será que todos os japoneses vão pro inferno?

Interessante nas religiões que seguem a Bíblia ou o Evangelho é o fato de que acreditam na existência de um deus do bem e de um deus do mal - o Demônio.

 - O diabo, o capeta, o coisa ruim, não é um deus – blasfêmia!

- O demônio  “foi” um anjo que quis se equiparar a Deus e então foi expulso do Céu.

Sim, foi expulso do céu, criou seu próprio reino... “as profundezas”... e nunca mais foi incomodado...

Parece político expulso de seu próprio partido... criou outro...

Interessante é que a mitologia bíblica e as religiões e seitas cristãs, são muito parecidas com outras histórias mitológicas.  A religião cristã é cópia quase fiel da mitologia egípcia, só trocaram os nomes... dizem os especialistas. Admitem um só deus.

O deus do mal, existente em todas as mitologias, virou anjo na bíblica, espécie de assessor que se desentendeu com o patrão, foi demitido e criou seu próprio império.  O interessante na história é que o demônio apronta e afronta, mas o deus supremo nada faz contra ele, embora a todo o tempo ele roube seus eleitores, digo, fiéis.

Um dos eleitores – talvez um ateu, mas um grande canalha, com certeza! - até disse que da Bíblia ele gosta mesmo é do vinho, do pão, dos peixes e dos pecados, pois tudo o que é bom é proibido.

E você, o que acha!

Dê sua opinião!

Comments 

 
-1 #5 O comentarista 2010-11-11 23:39
Caro Abel,
"Quem conta um conto, aumenta um ponto", vc já deve ter ouvido.É verdade. Em direito, fato público e notório, não existem dois depoimentos iguais, semelhantes sim, mas iguais não. Se forem iguais... alguém está mentindo. A Bíblia é um complexo de documentos de uma época que foram selecionados pelas igrejas (religiões) que a seguem para formarem o antigo e o novo testamento. Aramaico, grego, latim e outras linguas já extintas, eram as originais desses inúmeros documentos. Alguns foram aceitos por determinadas religiões, muitos foram rejeitados. Os originais sofreram inúmeras traduções até chegarem às linguas atuais. Cada tradução deve ter de alguma forma alterado o sentido das expressões idiomáticas dos textos originais. Pense nisso durante os seus estudos.Eu tive sólida formação cristã na minha juventude,estud ei muito,mas hj penso diferente.Acreditar na existência de um deus é questão de FÉ.Não chegará a parte alguma, por mais que vc estude.Respeito a FÉ
Quote
 
 
+1 #4 Abel 2010-10-29 03:11
Eu não "acho", eu sei q a Bíblia é totalmente diferente até de uma religião e vai além do q chamam de "Cristianismo", e além do q é vivido nos dias de hoje. Eu digo "sei" pois sou cristão convertido há somente 4 anos e tenho estudado a Bíblia desde então. Antes não conhecia quase nada dela e baseava minha opinião no q os outros diziam. Você pode não conhecer a Bíblia, mas acredito que conhece "Dom Casmurro". O livro de Machado de Assis tem uma influência da Bíblia para criar uma atmosfera onde o pré-julgamento do leitor está diretamente associado ao q ele pensa. A Bíblia é um conj. de livros tão extraordinário q permite várias interpretações para q somente os que buscam de verdade (com todas as forças) encontrem a verdadeira mensagem. Não é à toa q ela traz no livro de Apocalipse um trecho q diz: "Quem é injusto, faça injustiça ainda; e quem está sujo, suje-se ainda; e quem é justo, faça justiça ainda; e quem é santo, seja santificado ainda."(22:11)
Leia Isaías 55:6.
Quote
 
 
0 #3 /irreverentLy 2010-09-05 02:13
Gostei muito! Com escrita coesa, você me levou a ler tudo até o fim. Tenho visto tantos e tantos textos na internet, cheios de erros, ou desconexos, vagos, com tanto exagero de superficialismo , que quando vejo algo do tipo do que você escreveu, deixo meu elogio e agradeço por poder ler algo que me acrescenta. Parabéns. Quanto ao meu comentário sobre o assunto, gosto muito de um link que nem ssei se vc já viu, em todo caso em http://www.guia.heu.nom.br/fe_de_albert_einstein.htm acho que encontrará minha opinião, que se identifica muito com o que vc lerá... saudações (estou no twitter como /irreverentLy
Quote
 
 
0 #2 Aloisio Moreira 2010-05-13 16:15
De fato, as grandes religiões ocidentais se dizem monoteístas mas têm deuses que, como os deuses gregos, têm família com pai, filho e espíritos pouco definidos como são na realidade, e anjos, além, como já dito acima, um grande deus do mal com auxiliares, que um dia habitou também o Céu.
Quote
 
 
0 #1 Rayanne Galavotti 2010-04-16 01:31
Muito bom ! Como eu queria um texto prontinho assim rs
Quote
 

Add comment


Security code
Refresh