Flamengo, sob nova direção!

Flamengo, sob nova direção!

Fácil, no Flamengo é fácil se eleger/reeleger presidente e trazer toda a massa torcedora para os seus projetos particulares, uma eleição para um cargo público ou para a incrementação, aumento de vendas de produtos e serviços, de empresas dos candidatos, por exemplo.

O clube tem cerca de 35 a 40 milhões de torcedores espalhados por todo o planeta, mas o universo dos que decidem os destinos do clube não passa de 3 a 4 mil pessoas, sócios com suas obrigações em dia.

O que acontece então?

Simples, o primeiro passo para o candidato ser feliz nos seus negócios particulares é cativar os sócios frequentadores do clube e aqueles que pagam a contribuição mensal, mas nunca frequentaram as suas dependências, embora isto conste das promessas de ano novo, todo ano!

Diz a diretoria que o número de sócios é de cerca de 10.000 pessoas, coisa pobre. O Internacional, como dizem, tem cerca de 100 mil sócios-torcedores. Universo que deve deixar um pretenso candidato a pensar muito.

Então, o candidato no Flamengo, na época da eleição, começa com suas promessas de campanha dirigidas aos frequentadores do clube:

- Vou melhorar os vestiários e banheiros, os femininos então... serão maravilhosos.

- Vou melhorar as quadras de tenis.

- Nova quadra para o basquete/volei/futsal. O ginásio ficará magnífico, vejam a maquete!

- Vou contratar o nadador famoso, que vai treinar em outros clubes, razão pela qual precisamos reformar a piscina, aumentar sua profundidade.

- As escolinhas de natação e esportes olímpicos, terão nível de primeiro mundo. O Flamengo é um clube poliesportivo, precisa estar sempre com os melhores equipamentos.

- As lanchonetes e as instalações do parque aquático serão inteiramente reformadas, mais conforto para os frequentadores.

- A churrasqueira comunitária... Ah!... a gente não pode esquecer a churrasqueira, para os domingueiros...

- O dinheiro para isso tudo? A gente tira do futebol, afinal, nós, frequentadores do clube, sabemos o que a gente precisa. Foram décadas de abandono das dependências sociais.

- Ah, sim! A gente não pode esquecer o pessoal da bocha, terão nova quadra ou pista.

Bocha - Este esporte é centenário no clube e frequentado por pessoas influentes que decidem os destinos do clube, todo o nosso respeito. Não rende um tostão, mas tem gente muito boa lá.

- Blá, blá, blá...

Pronto, ganhou o frequentador do clube! Ele irá votar, com certeza, nele ou nela, o candidato que conhece tão bem os cantos, recantos e encantos do clube. As promessas se espalham e a pessoa é eleita presidente do clube com a maior torcida do mundo. Tudo o que ele/ela queria!

Eleito presidente, o candidato passa a cuidar dos seu interesses particulares, o verdadeiro alvo, seu objetivo principal.

Inventa um ídolo... Juan, por exemplo, nunca foi ídolo, excelente jogador sim, mas ídolo nunca foi. Nem ele se considera ídolo do clube.

Leônidas, Zizinho, Dida, Zico, Júnior e outras feras, sim... frequentam o Olimpo.

Inventado o ídolo, passa o eleito agora a se dirigir aos torcedores. As eleições para o cargo público se aproximam.

- Vamos repatriar nosso ídolo. Formar o maior esquadrão do futebol mundial...

- Vamos incrementar as maiores ações de marketing, coisa nunca vista no clube.

Mandam gente, que podem ser diretores e agentes, muito clube faz isso, para o exterior, gente que pensa que é mais esperta que todos os homens de negócios do mundo.

Oferecem como moeda de troca a MARCA FLAMENGO... apresentam a proposta aos donos dos direitos econômicos e federativos sugerindo que eles fiquem com todas as despesas e o Flamengo apenas com os lucros e talento do jogador...

- Mas, antes, vamos discutir a questão do percentual da intermediação...

- A minha, que detenho os direitos econômicos/federativos?

- Não, a minha, que represento o clube!

- Mas... e a minha?

- Tá... então vamos discutir sobre a nossa intermediação...

Propostas são recusadas por conta disso... passa o tempo, a mídia é movimentada, o jogador não chega. Ele, sua família e seus agentes ficam preocupadosa com a fama de mau pagador do clube.

- Oferece alto salário... o patrocinador paga, tá descontando do imposto de renda!

- Vai inflacionar o mercado.

- Não importa, se o patrocinador falhar, a gente diz que paga, mas não paga... enrola, vai pra justiça, joga a mídia contra o mercenário. As eleições já estão chegando e enquanto isso eu delego todos os meus poderes. Se alguém da diretoria falhar, a culpa será dele. Eu deleguei poderes e fico limpo com a torcida... sou reeleito.

Ninguém pensa no nome da instituição, afinal as pessoas não estão lá para isso. Só se preocupam com o grande time que lhe traga glórias.

A massa é facilmente comandada pelas vitórias esportivas e confunde o esforço e glória dos atletas com a atuação do dirigente.

Foi eleito, ou reeleito, que beleza! Missão cumprida!

- O nome da instituição? Ninguém quer trabalhar com o mau pagador? Não importa, o importante foi que atingi meu objetivo: ser eleito ou reeleito para o cargo público...

- Mas e o time?

- Time? Que time? Ah!... palmas pra ele!

O pior que pode acontecer na vida de relação social é o individuo, ou a pessoa, seja física ou jurídica, ser rotulada como aquela que não é digna de confiança, como aquela que não cumpre contratos, não paga em dia, está sempre em litígio com credores e devedores.

Assim está a imagem do Flamengo na mídia e no mundo dos negócios, uma instituição com sua credibilidade muito abalada.

Estão acabando com a credibilidade da instituição!

Perdendo o crédito, os bons negócios, com parceiros sérios, desaparecem e surgem aqueles duvidosos, o imã que atrai a escória...

Isto acontece com muitos clubes, mais nitidamente agora, com o Flamengo. Fato público e notório, reconhecido pela mídia e pelos próprios torcedores.

Muitos jogadores, agentes e instituições esportivas, recusam os negócios. As propostas viram motivo de galhofa, quase um bullying... Assim parece o Fla hoje em dia, ninguém acredita... nem mesmo o ídolo inventado.

- Não vai para o Flamengo não. Não paga ninguém. Está cheio de “rolo” na justiça!

Quem diria, o Flamengo virou vítima, como agente provocador, de prática de bullying negocial...

Como agente provocador, em razão da péssima gerência de seus negócios, a pessoa jurídica Flamengo não pode reclamar do bullying negocial...

Como reverter a situação?

Simples: Mostre à praça que providências sérias foram adotadas:

Toda a diretoria, incluindo o/a presidente deve renunciar e anunciar para todo o planeta:

- FLAMENGO, AGORA SOB NOVA DIREÇÃO!

AGORA... SOB NOVA DIREÇÃO... é isso!

O Clube de Regatas do Flamengo precisa, MODO EMERGENCIAL, mudar sua administração.

Os pequenos e grandes empresários sabem disso.

O dono do botequim sabe disso.

Para reerguer a marca, para torná-la atraente para os investidores, é preciso avisar à praça que gente séria está saindo e gente melhor ainda está entrando.

A mensagem da “gente séria” que está saindo tem por base a boa-fé, intenção de realmente fazer retornar a honra e boa fama comercial da instituição...

RENÚNCIA JÁ!

- FLAMENGO, AGORA SOB NOVA DIREÇÃO!

E você, o que acha?

Dê sua opinião!

 

Add comment


Security code
Refresh